O Campo de Treinamento de Deus

Oi, meninas, tudo bem?

No meu último post eu contei a minha trajetória de uma criança viciada em tv, a uma adolescente idólatra, a uma jovem adulta perdida dentro de casa.

Mas quando eu senti o amor e o chamado de Deus serem reais na minha vida, tudo mudou.

Eu entrei no que eu chamo de campo de treinamento de Deus.

E o que seria isso?

Seria o jeito de Deus de me treinar e usar na causa dEle.

Ao voltar a morar com meus pais, em 2016, muitas coisas foram diferentes pra mim. Minha cabeça era outra. Nessa época eu estava super focada no meu relacionamento com Cristo e na minha vida espiritual, bem como em esperar pelo meu futuro marido com propósito (contei a minha história de amor aqui).

Nesse ano, me tornei a professora da classe dos adolescentes da nossa igreja. Foi uma época muito boa! O guia de estudos dos adolescentes me levou a conhecer muito das histórias dos reis de Israel e Judá (já até escrevi uma postagem sobre o poder da influência exemplificado na vida dos reis, para ler, clique aqui). Nossa igreja é bem pequenininha e eu tinha o total de 3 alunas, sendo 2 mais frequentes e 1 visitante que participou de várias classes com a gente. Eu gostava de ensinar e compartilhar.

Foi nessa mesma época que eu decidi fazer um projeto com as minhas 2 alunas adolescentes baseado no livro que eu li e que me fez decidir entregar a caneta da minha vida amorosa nas mãos de Deus.

Além de professora, como Deus me deu o dom de cantar, me tornei a responsável pela música.

Em abril de 2016, preguei pela primeira vez em um culto de quarta feira. A mensagem foi sobre a parábola do juiz iníquo. Me senti nervosa mas ao mesmo tempo muito realizada porque era muito empolgante poder compartilhar com outras pessoas algo que Deus me ensinou através da Palavra dEle.

Nesse ano participei com meus pais de programações dirigidas por nós em outras igrejas, preguei pela primeira vez em um culto de sábado, recapitulei o guia de estudos da classe dos adultos, como professora deles em alguns sábados também, participei de um acampamento de jovens e tive a oportunidade de falar sobre aquele projeto para meninas solteiras, fiz visitas, cantei músicas solo…

Ufa, quando eu olho para trás eu vejo que foram muitas coisas para alguém que até 2 anos antes não se envolvia em nada.

Esse é o que eu chamo de campo de treinamento de Deus! Talvez mais do que eu trabalhando para Deus, era Ele trabalhando através de mim.

Foi tão gratificante! Foi nesse período que eu aceitei o convite para participar da missão que seria o momento onde eu conheceria o meu futuro marido.

Deus foi trabalhando em mim, me dando o desejo de fazer mais e mais, eu estava realmente transbordando. Foi nessa época que comecei esse blog e foi tão maravilhoso! É muito especial olhar para trás e ver o quanto Deus pode fazer através de nós, só temos que estar disponíveis!

Ás vezes paro e penso: “Por que Deus me usaria?” Realmente com um sentimento de gratidão! Muitas vezes podemos olhar para nós e pensar que nada temos a oferecer, que não sabemos fazer nada ou que não temos nenhum dom e na verdade, como tudo vem de Deus, estar no campo de treinamento dEle nada tem a ver com as nossas habilidades mas com a graça dEle.

Gosto muito de falar sobre essa época porque me sentia muito mais ativa do que hoje. Ás vezes nos acostumamos a olhar apenas para a lista de coisas que deixamos sem fazer, esquecendo tudo aquilo que já conseguimos realizar com a graça de Deus!

Sabe, irmã, aceitar a Cristo na sua vida tem tudo a ver com se relacionar com Ele. E quando você se relaciona com Ele, quer que outras pessoas também conheçam esse seu novo melhor amigo. Você sente o desejo de fazer mais, de ser mais e é por isso que eu acredito que Deus me apresentou tantas formas de crescer na fé, para que eu fosse sendo aperfeiçoada e chegasse em um momento em que não me esconderia quando precisasse servir, fosse no que fosse.

Hoje, em uma outra fase, vejo a importância de nós conhecermos a Deus como Ele realmente é. Conhecer a Palavra, manejá-la bem, como Paulo diz pra Timóteo. Talvez hoje eu esteja indo para o curso superior de Deus.

Sei que essa é uma faculdade na qual não vamos nos formar, porque sempre teremos mais a aprender e a crescer mas, como o nome do meu blog já diz, eu sou uma aprendiz do Criador e espero que minha experiência te motive a também estar disposta a atender os chamados de Deus e experimentar as maravilhas do amor e do propósito dEle na sua vida!

Se você chegou até aqui, me conta nos comentários se você já fez parte desse campo de treinamento, se está fazendo agora, se ainda não está mas tem muita vontade de servir…Quero muito saber das tuas experiências!

A gente se vê,

Andressa.

Me siga nas redes sociais!

Negando a Mim Mesma: Meu Testemunho.

E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.

Lucas 9:23

Jesus disse essas palavras e elas podem ser muito assustadoras. Que coisa é essa de “negar a si mesma e tomar cada dia a cruz? Jesus não disse que ele carregaria nossos fardos e que o fardo dele é leve? Ele não morreu para que eu fosse livre?”

Exatamente…

Um dia eu descobri que ser cristã era mais do que ir a igreja. Que liberdade não é libertinagem. Que eu precisava deixar Jesus entrar em cada cantinho de quem eu era. Eu precisava sair pra ele entrar. Eu precisava fazer um detox de mim mesma. É sobre essa jornada de “negações” que eu vou escrever agora…

Há muito tempo atrás em uma cidade muito distante…

Vivia a pequena Andressa. A sua mamãe ficava tão feliz porque era só colocar o bebê no carrinho na frente da tv e ela ficava quietinha, deixando com que a mamãe fizesse todos os serviços domésticos em paz.

Aos 3 anos, a pequena Andressa já sabia colocar as suas fitas VHS da Disney no vídeo cassete e dar play, dar pause, dar stop, rebobinar. Era quase um prodígio. Andressa foi crescendo, assistia desenhos animados e filmes na Sessão da Tarde e no Cinema em Casa. Ela amava. Ela inclusive tinha uma lista na sua agendinha de todos os “bons” filmes que ela tinha assistido.

No início da adolescência as coisas começaram a mudar. Ela foi picada por um insetinho que a fez ficar doida por novelas mexicanas. Nessa época as músicas também entraram no “hall de coisas que Andressa adorava“. Claro, assim como quase todo mundo, Andressa também foi fã de Sandy e Júnior, ela inclusive ganhou seu primeiro rádio aos 9 anos! Mas o pessoal lá do México levou as coisas para um outro nível…Ela agora queria ser como aquelas atrizes, viver no país delas, falar a língua delas, ser como elas…

Quando a adolescência de fato chegou, Andressa decidiu que era emo. Nessa época, aos 15 anos, ela ganhou seu primeiro computador. Agora ela tinha livre acesso a internet e ela achava que estava vivendo o paraíso na Terra. Tantas possibilidades, tantas pessoas que ela podia conhecer! Agora ela podia baixar todos os cds da suas bandas emo favoritas!

Nessa época ela ouvia músicas tristes para ficar mais triste. De certa forma ficar triste era tão legal, assim pensava Andressa. Pobrezinha. Os seus ídolos agora não eram apenas os mexicanos mas todas essas bandas de caras que cantavam sobre a dor do amor…

Aos 15 anos Andressa se batizou em uma igreja protestante. (Hãn?) Ela era emo e ficava bem ao se sentir triste. Quem sabe Deus a preenchesse e tirasse a graça de sofrer, não é? Quem dera…

Andressa agora fazia parte de uma igreja protestante e tudo o que ela fez foi parar de usar bijuterias e comer carne de porco. Ela também ia a igreja todo sábado. Exteriormente até podia se notar alguma coisinha diferente mas por dentro…Andressa era depressiva e ansiosa, carente de atenção. E sabia esconder tudo isso até que bem.

Por dentro Andressa não tinha aberto seu coração para Jesus. Ela tinha medo dele voltar. Ela não queria que ele voltasse. Ela não entendia como as pessoas podiam “ansiar” por isso. Dentro dela havia uma suspeita de que as pessoas só falavam aquilo pra parecerem espirituais mas elas não queriam que ele voltasse realmente por que quem estaria preparado para o caos que o mundo se tornaria até que Jesus aparecesse? (…)

Andressa se tornou uma jovem adulta.

Em 2008, Andressa se muda de cidade. Agora ela vivia na pequena cidade em que os pais nasceram. Ela não gostou nada da mudança. Essa transição fez com que Andressa se fechasse ainda mais e vivesse para a internet, para os filmes, para as séries e para as distrações que encontrava online. Ela se afastou dos amigos reais. Tanto os que moravam na nova cidade, quanto os que moravam na sua cidade natal, pois deixou de falar com eles até mesmo virtualmente. Andressa se isolou.

Mas então ela avançou mais um nível… Aprendeu como baixar filmes na internet! Não só filmes mas séries também! Uau, quantas possibilidades, o céu era o limite, ela podia baixar tudo o que ela quisesse. Ela passou a gravar os filmes e algumas séries em DVDs, numerá-los e anotar os nomes dos filmes que havia em cada um. Ela não vendia nenhum deles. Não! Isso seria errado demais! Andressa tinha aprendido uma coisinha ou outra e isso ela decidiu colocar em prática. Nada de vender DVDs de filmes baixados da internet! Ela se sentia super certinha fazendo isso!

Como Andressa gostava muito de conhecer todos esses atores e atrizes que iam fazendo sucesso, ela passou a baixar todos os filmes e séries que encontrasse dos seus artistas favoritos. Como uma coisa leva a outra, ela ia admirando uma nova atriz aqui, achando lindo um novo ator ali e não tinha fim. Não tinha fim e nem filtro.

Andressa assistia filmes que provavelmente você se espantaria se soubesse quais eram. Ela nunca foi fã de terror mas assistiu algum terror light uma vez ou outra. Filmes de guerra com todos aqueles atores bonitos. Quem não ia gostar de ver pessoas sendo mortas, sangue, violência e atores bonitos? Mas Andressa gostava era dos romances e você sabe, né? Nem todo romance é apenas uma historinha boba de amor…

Andressa achava que essa coisa de triângulo amoroso era quase…normal. As cenas de sexo? Bom, elas estavam lá e com o tempo Andressa nem se preocupava mais com elas, era normal também, não era? Ainda que fosse fora do casamento ou uma traição e ainda que duas mulheres resolvessem se beijar, do nada, no meio do filme. Era normal. Não era?

Você pode se perguntar: Mas Andressa não era da igreja? Ela não ia lá todo sábado? É claro que depois de um tempo Andressa não ia na igreja TODO SÁBADO. É claro porque Andressa tinha outros interesses e Deus não tinha espaço, em lugar nenhum. Mas ainda que ela não fosse assídua, Andressa aprendeu algumas coisas. Ela ainda não pensava sobre a volta de Jesus. Isso a fazia chorar de desespero. Então ela simplesmente ignorava isso.

Ainda assim, Andressa achava que era muito esperta e tinha decorado várias coisas que estavam na Bíblia que tinha ouvido quando ia a igreja. Isso fazia ela pensar que tinha alguma vantagem, mesmo que não praticasse nada. Porque “nossa igreja estuda a Bíblia e guarda os mandamentos”, não é?

Em 2011, aos 21 anos, Andressa encontra um novo amor…Adicione à sua adoração por filmes, séries, músicas e internet, os livros! Andressa descobriu que ler era tããão bom! Mas claro, ler livros de romance, porque esses sim são bons livros! Em 2013 Andressa leu mais de 80 livros. Grande marca para alguém que detestava ler até poucos anos atrás. Ela tanto comprava livros (o que se tornou uma obsessão) quanto baixava ebooks da internet, no mesmo estilo dos filmes, séries e músicas…

Andressa era tão feliz lendo! Antes ela encontrava satisfação nos filmes mas poder imaginar tudo em sua mente passou a ser tão incrível quanto!

Mas de repente, não mais que de repente…

Acontece uma reviravolta na vida de Andressa!

Talvez não tenha ficado tão evidente ao longo da história mas o maior “amor” de Andressa estava na internet. Tudo aquilo que ela tanto estimava se encontrava lá. Tudo girava em torno da internet. Mas um dia, de forma incrível e inesperada, Deus entra na história.

Andressa se pergunta: “Será que alguém estava orando por mim?”

As coisas começam a mudar em uma tarde de fim de ano.

Ainda era 2013, ela foi ao mercado com sua mãe e lá encontrou uma amiga que não via há algum tempo. Elas se cumprimentam. Andressa foi quase empurrada sobrenaturalmente até ela porque no fundo a vergonha de ter se afastado de todos os seus amigos era presente na vida dela. Mas o reencontro aconteceu. Aquela amiga, mais tarde, conversa com Andressa pela internet e a convida, pasmem, a convida para ir morar com ela na capital. Assim, do nada, de repente. Andressa acha aquilo incrível e ao mesmo tempo fora da realidade mas ainda assim, conta para sua mãe sobre o convite. A sua mãe fica super empolgada, mais que Andressa e dá todo o apoio para ela ir. Andressa então decide fazer algo por ela mesma. Entra na internet, pesquisa universidades e resolve fazer um vestibular agendado para voltar a cursar Design (Curso que ela começou e abandonou em 2012).

É 2014, Andressa está morando na capital. Foi aprovada na universidade. Saiu da sua toca, quem diria? Quem diria também que as coisas estavam prestes a mudar?

Só Deus diria…

Os hábitos de ver filmes, séries e ler livros continuavam. Mas Andressa adquiriu um hábito novo. Ela conversava com Deus todas as manhãs, no trajeto de ônibus de casa até a faculdade. Imagino Deus dizendo: “Até que enfim um espaço pra mim.” Eram mais ou menos uns 30 minutos de trajeto para ir e claro que tinham distrações no caminho mas não subestime o que Deus pode fazer com 30 minutos do seu tempo todo dia!

Andressa decidiu estudar a Bíblia. Ela tinha esse guia de estudo da igreja e o estava fazendo religiosamente, ainda que não praticasse muita coisa. Mas de novo, nunca subestime o que Deus pode fazer…

“Ela foi dobrada e quebrada mas para ter uma forma melhor”

2015, ainda estava na faculdade mas esse ano algo incrível aconteceria.

Mês de abril, dia 1º. Andressa ia passar por uma cirurgia na boca para expansão da arcada dentária. “A recuperação vai ser rápida”, diziam, mas durou meses e rendeu a ela um lindo espaço de 5mm entre seus dentes da frente. Claro que aquilo afetou a autoestima da Andressa (que nunca foi boa). Ela tinha feito a cirurgia para consertar os dentes e agora estava pior mas quando ela estava se sentindo o ser menos possível de alguém se apaixonar no mundo, foi aí que descobriu que já era amada.

Deus tocou o coração de Andressa de uma forma inexplicável. Ele a impulsionou a ler um livro chamado “Quando Deus Escreve Sua História de Amor”. Nesse livro, Andressa descobriu que Deus tinha um plano para a vida amorosa dela. Mas ela se sentia tão indigna…Ela já havia, aos prantos, pedido perdão a Deus por todo o tempo desperdiçado na internet. Por todas as pessoas virtuais que ela tinha permitido serem mais importantes que as reais e até que o próprio Deus em sua vida. Mas ainda assim, ela não se achava digna de nada. Talvez não se sentisse perdoada, não sei. Mas quando ela soube que Deus queria que ela vivesse uma vida diferente porque ELE A AMAVA, tudo mudou!

Sim, Deus a amava. Logo Andressa se deu conta da realidade do amor de Deus. Deus a amou quando ela o rejeitou, quando ela desperdiçou a sua vida com divertimentos mundanos, quando ela o traiu, o desobedeceu, viveu como se Ele não existisse, quando ela manchou o nome dele, afinal, um dia ela havia se batizado e se denominava “cristã”, não era? Mas agora, aos 25 anos, 10 anos depois de ter se batizado, Andressa estava realmente entendendo o que significava a palavra “conversão” e Andressa nasceu de novo.

O amor salva, liberta, transforma.

Antes desse processo, eu já havia parado de assistir algumas séries. Quando Deus começou a falar comigo sobre deixar os filmes, eu tremi. “Que tipo de pessoas não assistem filmes? Eu vou ser um et!” Mas Deus em sua infinita bondade, com todo o seu terno amor, não desistiu de ir limpando o meu coração. Eu me dei conta do quanto aqueles filmes e séries haviam sujado a minha mente. Eu era uma pessoa de mente impura porque já tinha visto muitas cenas que não devia ter visto. Eu tinha perdido a pureza e inocência, e enchi a mente de lixo. Eu sabia que ainda que abandonasse tudo, haveriam consequências. Mas estava disposta a aceitar. Nada mais justo. Eu havia aceitado o convite de Cristo e ainda que houvessem consequências ruins, eu as enfrentaria ao lado dEle.

Meu gosto musical mudou radicalmente com o tempo! Deus foi lapidando meu gosto musical. Antes do grande encontro eu já vinha preferindo músicas mais calmas e tranquilas, até que finalmente decidi parar com músicas sobre desventuras amorosas. Eu sabia que aquilo só traria um senso de desilusão e que existiam opções melhores. Deus permitiu que eu conhecesse o folk e uma dupla cristã chamada “All Sons and Daughters” que foram os que me ensinaram o que era louvar a Deus e ter prazer nisso!

O abandono dos livros se deu da mesma forma. Comecei a me incomodar com eles. Sabia que muitas estórias ali contadas não tinham nada a ver com o que o Jesus ensinava e na verdade eram 100% contrárias ao ensino dele. Então me desfiz deles e como estava no caminho de “negar a mim mesma e seguir a Jesus”, me desfazer dos livros foi tarefa mais fácil.

A internet me trouxe grande sofrimento mas já faz algum tempo que Deus me ensinou como usar a internet de forma sábia e agora eu uso aquilo que me destruía para contar para as pessoas que Jesus também as ama, também tem salvação para a vida delas e que Ele está voltando! Agora não tenho mais medo da volta de Jesus. Ás vezes tento imaginar como será e sei que não passo nem perto com a minha imaginação limitada mas só consigo pensar na grande festa que vai ser estar lá, ver Jesus face a face, agradecer por ter me amado quando eu o ignorava, por ter sonhado por mim, me resgatado, me dado segundas, terceiras, quartas chances.

Eis que tudo se fez novo.

Eu fui uma criança viciada em tv, que se tornou uma adolescente idólatra e uma jovem adulta perdida dentro de casa. Mas eu fui resgatada. Ao escrever tudo isso, muita coisa parece impessoal. Parece que não vivi. Aquela Andressa morreu. Louvado seja o nome de Jesus!

Nada do que abri mão foi uma perda. Foi libertador. Não ser escrava de nada além de escrava de Cristo, aí está a verdadeira liberdade. Saber que todo “não” de Deus significa proteção. Saber que Ele disse para não termos outros deuses além dEle porque Ele sabe que esses deuses nos escravizam, nos distraem da vida, roubam nosso destino, mentem sobre Deus, quebram nossos corações, nos fazem cair em depressão e perder o sentido da vida.

Contar minha história é um novo passo para ser livre da vergonha e da culpa. Nunca fui perfeita, continuo não sendo. Mas agora eu encontrei um farol, um porto seguro. Uma luz em meio a tanta escuridão, que me guia até o melhor que eu posso ser: “santa como meu Pai é santo”.

Conhecer Jesus transformou a minha vida. Mas conhecer de verdade. Não saber apenas que ele “morreu um dia porque me ama”. Ter a REAL noção do que isso significa mudou tudo. Entender que Jesus é de verdade, tem planos para mim, criou um caminho para eu encontrar o Pai e não ser mais órfã nesse mundo mas adotada como filha amada e preciosa que vale a vida do filho de Deus.

Meu desejo é que minha história te inspire a também pensar na sua. Ver tudo o que Deus fez por você e em você. Decidir não ser mais escrava mas livre. Decidir abrir teu coração e começar um relacionamento verdadeiro com Jesus. Ele sim pode transformar a sua história e te dar uma nova vida, limpinha, sem mancha, para você viver tudo o que ele preparou para você!

Porque eu sei os pensamentos que tenho sobre vós, diz o SENHOR, pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.

Jeremias 29:11

Me siga nas redes sociais!

Conheça The Pilgrim, o melhor app de conteúdo cristão!

Oi, sister, tudo bem?

A postagem de hoje é especialmente pra você que ama livros e livros cristãos!

Você já conhece o aplicativo “The Pilgrim”? Não? Então vem comigo que eu vou apresentar vocês!

Vamos começar pelo começo das apresentações! Caso você não saiba, “Pilgrim” significa “Peregrino”, portanto o nome do aplicativo significa “O Peregrino”. (Prazer!)

Gosto desse nome porque me faz lembrar do livro “O Peregrino” de John Bunyan (Você já leu? Lá no The Pilgrim tem! Dica: Vale muito a pena! ;D) e porque a proposta desse aplicativo é ser uma fonte de recursos para todos nós que somos peregrinos e peregrinas nesse mundo.

No app você encontra ebooks, audiobooks (meus preferidos), bíblia em áudio e artigos teológicos, além dos posts no blog da The Pilgrim. São mais de 4.000 (quatro mil!!!) títulos no acervo deles e lá nós podemos encontrar livros dos nossos autores cristãos preferidos!

Por que eu gosto tanto?

Imagine que você está querendo muito ler algum livro novo que te ajude a crescer na sua vida espiritual. Ainda mais nesse momento de pandemia em que tantas pessoas tem perdidos seus familiares, o emprego e a paz. Você ouve falar de um novo livro da Elizabeth Elliot que fala sobre sofrimento e você gostaria muito de conseguir aprender uma lição sobre isso.

Mas você não tem o livro físico e a vida anda tão corrida que você nem sabe se teria tempo pra ler. Não seria maravilhoso se você pudesse “ler o livro sem ler”? É aí que a The Pilgrim pode te ajudar! Esse novo livro sobre sofrimento da Elizabeth Elliot está disponível no aplicativo e você pode reproduzir o audiobook enquanto lava a louça, lava ou passa a roupa, limpa a casa…Ou simplesmente deita no sofá para relaxar e continua ouvindo a mensagem inspiradora que o livro está trazendo pra você.

Foi assim que eu ouvi o livro “Chamados para Criar” que está disponível no The Pilgrim! Nos meus momentos de ocupação do dia-a-dia eu colocava o livro pra ser reproduzido e ia aprendendo enquanto cumpria minhas tarefas. É um benefício duplo!

Originais Pilgrim

O livro do qual falei acima, “Chamados para Criar” faz parte dos “Originais Pilgrim”. Ele não foi lançado por nenhuma outra editora, foi a Pilgrim que trouxe ele pro Brasil! Eu amei isso porque fiz o plano de leitura do livro no app da Bíblia You Version e fiquei muito curiosa pra ler o livro mas ele ainda não existia em português. Pra minha surpresa um dia vi um stories de propaganda do livro no app e com toda a generosidade do mundo eles ainda disponibilizaram esse e mais alguns livros para serem ouvidos de graça na quarentena. Eu não pude perder! Me apaixonei!

Que tal aproveitar essa benção na tua vida?

Eu gosto muito de otimizar meu tempo no que posso e poder ouvir um livro enquanto faço outras atividades é o máximo pra mim!

Se você gostou dessa ideia eu vou deixar o link pra você assinar* o aplicativo e começar a desfrutar de todo esse conteúdo maravilhoso que eles prepararam pra nós!

*Esse é um link de afiliado. Fechando sua assinatura por esse link eu ganho uma pequena comissão e você não paga nada a mais por isso! 😉

Assine The Pilgrim clicando aqui.

Fui selecionada como uma parceira da The Pilgrim e pra comemorar essa nova amizade entre nós, eles foram bem generosos! Continua acompanhando pra você ver só o que vem por aí…

14 dias de teste grátis ao invés dos 7 dias do aplicativo! (YAY, EU QUERO!)

20% de desconto no primeiro ciclo da sua assinatura, seja a mensal, semestral ou anual! (ME DÁ JÁ ESSE DESCONTO!)

Devocional Manhã e Noite do Charles Spurgeon pra você ouvir de graça no aplicativo (RESGATE AQUI ESSE PRESENTE!)

Você não vai perder essa, né?

Menina, eu to tão contente de poder ser parceira de uma empresa que está preocupada em fortalecer a nossa vida espiritual nos proporcionando um conteúdo de qualidade e por um valor super convidativo! Eu aaamo livros físicos mas ter todo esse conteúdo para ser ouvido e lido no celular é uma benção! Então se você está procurando conteúdo cristão de qualidade, conheça a The Pilgrim! Você vai ser muito abençoada, com certeza!

*Repassando os links especiais*

14 dias de teste grátis ao invés dos 7 dias do aplicativo! (YAY, EU QUERO!)

20% de desconto no primeiro ciclo da sua assinatura, seja a mensal, semestral ou anual! (ME DÁ JÁ ESSE DESCONTO!)

Devocional Manhã e Noite do Charles Spurgeon pra você ouvir de graça no aplicativo (RESGATE AQUI ESSE PRESENTE!)

Aproveite esses presentes e seja abençoada!

Coronavírus: Isolados do mundo, unidos ao essencial.

Estava pensando sobre toda essa situação relacionada ao Coronavírus, principalmente sobre o isolamento. Parece que esse vírus conseguiu desacelerar tudo. O trânsito em São Paulo já não congestiona. Os aeroportos já não lotam. As ruas movimentadas agora estão desertas. As pessoas tem até tempo para…cantar.

Preciso dizer que me senti tocada ao ver as imagens das pessoas em isolamento na Itália, juntas em suas sacadas, cantando umas com as outras, umas para as outras. Juntas, mesmo que separadas, tentando passar por esse momento atípico, de apreensão e ansiedade para muitos.

Muitos estão sendo forçados a estar em suas casas e é nisso que penso. Nessa convivência de famílias juntas. Podemos ver essa situação como algo terrível mas penso que esse é um momento que, se podemos ser Pollyanna e jogar o jogo do contente, muitas famílias podem ter esse momento para elas, para socializarem entre si, para estreitarem os seus laços ou até mesmo sarar relacionamentos quebrados. É preciso querer, é claro.

Afastados do resto do mundo, unidos aos relacionamentos mais essenciais. Desacelerados. Sem saber o que fazer. Agora podemos ver o que realmente importa, do que realmente precisamos cuidar. Precisamos cuidar uns dos outros.

Se existe um momento para desenvolvermos a empatia, caso ela não faça parte de nós, esse momento é agora. Temos a oportunidade de olhar para o outro que é mais frágil e de cuidar dele. Temos a oportunidade de olharmos para a nossa família e agradecermos por ela existir. Refletir sobre a vida, sobre o que importa.

Esse vírus levou muitas vidas e trouxe a apreensão. Se há algum presente que ele possa nos ter trazido foi o parar. Foi o desacelerar. Isso já não é tão fácil para nós que nos acostumamos com a correria do dia-a-dia mas agora é necessário. Uma quarentena forçada, para cuidar da saúde e da alma. Para cuidar e amar o próximo, esteja ele na minha casa ou na casa ao lado.

Acima de tudo, é um tempo para confiar no nosso Pai. Ele disse:

Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre as nações; serei exaltado sobre a terra.

Salmo 46: 10
Precisando fortalecer sua confiança em Deus? Acompanhe os vídeos devocionais dos 40 Dias de Confiança

Não precisamos temer, precisamos nos aquietar e saber quem é o nosso Deus. Precisamos confiar. A fé passa por testes. Esse pode ser um deles para alguns de nós. Eu espero, do fundo do meu coração, que sua fé seja fortalecida nesse momento, onde você estiver. Eu desejo que Deus proteja a você e a sua família e que você olhe para cada pessoa que está ao seu redor e valorize a vida de cada uma delas.

Eu espero que vocês cantem juntos, relembrem seus bons momentos, relembrem porque se amam e que se há algo que esse vírus possa fazer na sua vida, seja o de te unir a partir de agora, ao que realmente tem valor!

Fique calma, fique bem! Deus tem olhado por cada um de nós!

Com carinho,

Andressa.

Carta II – Querida irmã;

Como você tem estado? Já faz um tempo que não sei de você. A vida corre e o tempo voa, voa bem depressa. Ás vezes parece que vivemos o tempo todo correndo atrás dele, não é?

Sabe, irmã, eu estava pensando sobre as luzes. Estava pensando sobre essas belas luzes artificiais, daquelas que iluminam as cidades, as casas, prédios bem altos, lojas variadas, aquelas luzes que fazem o mundo parecer mais brilhante, mais bonito.

Estava pensando que elas não passam de luzes de mentira. Promessas de algo que muitas vezes não existe de verdade. O mundo e seus prazeres não são assim? Parece maravilhoso mas na verdade não é.

Te escrevo, irmã, porque me preocupo com você. Parece que algumas luzes chamam a sua atenção. Elas podem não ser más em si mas se elas te fazem se perder do Caminho, será que elas estão iluminando a estrada certa?

Parece que andar por esse caminho apertado ás vezes nos causa desânimo, não é? Nem sempre ele brilha. Ás vezes a noite é escura e ela dura muito tempo. Mas não esqueça do sol, irmã. Ele existe aqui nesse pequeno caminho estreito. Sei que muitas coisas não podemos carregar quando andamos por ele e as pessoas que levam grandes bagagens nem sempre se animam a deixá-las para trás, mas lembre-se: Nem tudo o que você está deixando é uma perda.

Quando eu finalmente descobri isso, soou como um sussurro em meus ouvidos, uma promessa em meu coração. Havia mais. Não seria um eterno renunciar. Seria uma troca. O que é mau pelo que é bom. O que parece me fazer bem pelo que de fato me faz muito bem, o que me dá vida.

As luzes, irmã, elas são encantadoras, eu sei. Só tenha certeza de que está perseguindo as luzes certas. As que tem vida em si mesmas. Luzes artificiais não poderão acender a sua luz, a que existe dentro de você. O único que tem esse poder é o Sol da Justiça, aquele que é a Luz do mundo e que colocou uma faísca aí dentro. Ele te disse: “Você é a luz do mundo” e ele já sabia que não se pode esconder cidades edificadas sobre o monte, aquelas que brilham forte. Ele colocou uma luzinha aí dentro. Brilhe para Ele, irmã. Brilhe de verdade. Deixe o artificial para trás.

Com carinho,

Andressa.