Vamos falar sobre influência?

Post 11

Nos últimos meses eu tenho recapitulado a história dos reis de Israel e de Judá. Começando no livro de 1 Samuel, prosseguindo em 2 Samuel,  1 Reis, 2 Reis, 1 Crônicas e 2 Crônicas a gente percebe facilmente que o povo de Deus passou por altos e baixos em relação aos seus governantes. Ao lermos os relatos, o primeiro rei, Saul, já foi um péssimo exemplo. Ele começou bem, vemos que foi Deus quem o escolheu mas ele usou mal o seu livre arbítrio e começou a se afastar do Senhor, chegando até a consultar uma necromante, algo que Deus havia terminantemente proibido. (Leia essa história em 1 Samuel 28)

Davi, por sua vez, escolheu ser diferente. Ele se agradava de seu Deus, o amava de todo coração mas em um momento de fraqueza também teve seus erros. O adultério com Bate-Seba e o assassinato de Urias foram dois deslizes graves de Davi. Mas após o seu arrependimento e mudança de atitude, ele foi chamado de “o homem segundo o coração de Deus”. Vemos que ele se arrependeu profundamente e tomou um rumo diferente em sua vida e fez o que era reto perante os olhos de Deus. Após a morte de Davi, um de seus filhos com Bate-Seba, Salomão, foi aquele que herdou o trono. Jovem demais para se sentir seguro em relação a nova posição, Salomão pede sabedoria a Deus e recebe. Mas ele não usa sua sabedoria de forma realmente sábia. Salomão se perde no meio do caminho e deixa que o orgulho por tudo o que ele havia conquistado manchasse seu coração e nublasse sua visão, fazendo-o pensar que tudo aquilo se devia ao seu próprio poder e capacidade. Ele se casa com mulheres de povos estrangeiros, adora deuses pagãos e constrói templos e altares para esses deuses em Jerusalém.

Por causa da grande transgressão a que Salomão tinha exposto o povo de Israel, fazendo com que o povo pecasse contra Deus, é dada uma profecia. O reino seria dividido em dois. 10 tribos formariam o reino de Israel e 2 ficariam como reino de Judá. E isso acontece no reinado de Roboão, filho de Salomão. Instado pelo povo a ser um rei mais benigno que seu pai, Roboão procura aconselhar-se com os anciãos da terra que o dizem para ganhar o favor do povo, diminuindo os impostos. Não muito contente com esse conselho, ele então procura seus amigos mais jovens que o aconselha a não fazer aquilo que o povo quer mais aumentar os impostos e a ser mais rígido que Salomão. E aí começa a grande lição sobre influência na história dos reis da Bíblia…

Na verdade, a má influência começa antes deles sequer terem um rei. Ao verem que os povos vizinhos possuíam reis e eles não, o povo de Israel pede para terem um governante na terra. Deus era o rei daquele povo mas ao invés de influenciarem as nações que os circundavam e mostrarem o poder de Deus para livrá-los, eles se deixaram influenciar e não quiseram mais Deus como o único governante em suas vidas. E então Salomão chega ao trono. Ele expôs o povo a uma idolatria tão grande, que fez com que eles, que já tinham tendência a se desviarem, a irem mais fundo no pecado. Ao invés de usar de sua posição para aproximar as pessoas do Deus verdadeiro, ele permitiu que os deuses de suas mulheres estrangeiras entrassem no seu coração e na sua terra e a contaminasse. Salomão foi influenciado por mulheres e influenciou o povo a adorar a deuses pagãos. Roboão, por sua vez, foi influenciado por seus amigos. Ao invés de dar ouvidos aos sábios anciãos, ele escolheu fazer aquilo que ele pensava ser o mais correto e não demonstrar misericórdia ao povo. O preço dessa atitude foi um reino dividido. Jeroboão aparece na história como uma espécie de salvador. O povo se une a ele e apenas as tribos de Judá e Benjamin permanecem fiéis a linhagem de Davi.

Jeroboão poderia ter guiado o povo de volta a adoração ao Deus verdadeiro mas ele também escolheu seguir por outros caminhos…Com medo de perder pessoas do povo toda vez que fossem a Jerusalém adorar a Deus no templo, ele resolve então fazer um bezerro de ouro e intitulá-lo como “deus de Israel” fazendo com que o povo mais uma vez fosse guiado na direção errada e usando de sua grande influência para o mal.

A lista de reis continua e as coisas não são bonitas de se ver. A maioria dos reis de Israel foram maus e não usaram de sua influência para aproximar o povo do Deus que os havia libertado e cuidado deles por todos aqueles anos. Isso não te faz pensar no peso da influência? Um fato que fica bem claro é que quando o povo teve bons reis no comando, que serviam ao Deus verdadeiro, eles foram levados a adorar a Deus também e a abandonar os ídolos mas quando o rei era mau perante os olhos de Deus, o povo também era mau pois via em seu governante um exemplo a ser seguido e “se o rei está fazendo isso, talvez não seja errado que nós façamos também, certo?”

Por causa da desobediência e dureza de coração dos reis para com a vontade de Deus, por não ouvirem as advertências dos profetas e se arrependerem de seus pecados, o reino de Israel foi levado cativo pelos Assírios e todo o povo pagou o preço. Isso me faz pensar muito na responsabilidade que temos pelos nossos atos. Quando estamos em uma posição de liderança, seja ela qual for, somos responsáveis por aqueles que influenciamos. É claro que nem todo o povo era idólatra mas pelo afastamento dos reis e dos líderes espirituais dos caminhos de Deus, já não era fácil encontrar a palavra sagrada sendo lida e vivida naqueles dias. Todo, todo o povo sofreu.

Judá por sua vez teve reis melhores. Ezequias é um dos meus favoritos! Ele fez o que era reto perante o Senhor e o seu compromisso com Deus fez com que todo o povo se convertesse! Ezequias reabriu o templo e ordenou que ele fosse purificado de todas as imundícias que tinham sido colocados nele e um de seus atos que eu mais gosto, foi a celebração da Páscoa. Isso mexeu com a vida do povo. Mesmo sabendo que eles não estavam com a vida espiritual em situação agradável a Deus, ele orou por aqueles que estavam sob seu comando e tamanha foi a transformação ocorrida que o povo não conseguia parar de adorar a Deus! Passaram 2 semanas louvando e adorando ao Deus verdadeiro. Eles mesmo derrubaram os altares e postes-ídolos que ainda haviam e se livraram de suas imagens de escultura. Todo o povo se converteu a Deus novamente e eu imagino a grande felicidade que invadiu o coração do rei e do nosso Rei dos Reis ao ver tal cena! (Essa história maravilhosa está em 2 Crônicas 29, 30, 31 e 32)

Tudo o que o povo precisava era de um líder que vivesse a verdade de maneira comprometida. Tudo o que o mundo precisa hoje é do mesmo tipo de líder. Alguém que saiba distinguir o certo do errado e tenha coragem para se por do lado certo e acima de tudo, viver pelo lado certo. Saber escolher um bom líder também é importante. Para quem você olha? Em quem está se inspirando? Hoje não somos governados por reis que são tidos como exemplos de conduta mas somos muitas vezes influenciados por “ídolos” que se tornaram o novo modelo de como se comportar/se vestir/se relacionar e nem nos preocupamos muito se essa pessoa para quem olhamos, olha pra Jesus. Essa pessoa te aproxima de Deus? Quando você para um pouquinho para analisar os frutos da vida dela, são frutos que se parecem com os frutos que o Espírito Santo daria? Frutos de pureza, de adoração a Deus, de humildade, de compaixão? Ou são frutos de ostentação, orgulho próprio, rebeldia, sensualidade?

Quem você influencia? Algumas vezes nós podemos pensar que só porque não estamos em uma posição de liderança, não influenciamos ninguém mas isso não é bem verdade. Como cristãos já estamos em uma vitrine quer queiramos ou não. Somos espetáculo pro mundo e eles esperam ver o pior em nós para nos julgarem e o que é pior, julgarem nosso Deus. Mas existem aqueles que esperam com ansiedade por ver o melhor. Para verem que ainda há esperança em um meio em que diz que ama e serve a Jesus. Existe uma frase que diz: “Cuidado com a forma com a qual você vive, talvez você seja a única Bíblia que algumas pessoas irão ler”. E a responsabilidade por isso é enorme! Ás vezes você pode influenciar apenas seu irmãozinho mais novo mas isso não deixa de ser uma grande responsabilidade. A verdade é que todos estão nos olhando. Nossos amigos, familiares, pessoas que convivem conosco mas com quem nunca trocamos uma palavra podem olhar a nossa conduta e se inspirar nela. O problema é quando “não nos importamos com o que os outros vão pensar” e vivemos a nossa vida de forma irresponsável, nos esquecendo que estamos aqui para refletir a luz de Cristo ao mundo e para que essa luz seja melhor refletida, é preciso que nós conheçamos a Cristo de verdade e saibamos quais são os frutos que ele deseja que nós tenhamos em nossa vida.

O mundo precisa de pessoas de coragem. O mundo precisa de cristãos de coragem. Que vivam aquilo em que acreditam e que não tenham vergonha de abandonar qualquer ídolo que o afasta de Deus. Que faça de Jesus o primeiro. Que o faça de modelo e que inspire outras pessoas a terem boas atitudes. Atitudes nobres geram outras atitudes nobres. Depende de nós querer começar a levar as pessoas ao encontro de nosso Salvador Jesus. Te pergunto mais uma vez: Quem você influencia? Pense nessas pessoas. Pense nas pessoas que estão ao seu redor. Pense em como Jesus as trataria, em como Jesus cuidaria delas, em como Jesus as amaria e tente fazer igual. Antes de tudo, peça a Jesus para te ajudar a ser um bom influenciador. As influências para o bem ainda existem. Entre na lista daqueles que fizeram o que “era reto perante o Senhor”!

3 comentários sobre “Vamos falar sobre influência?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.